Superando traumas através da Terapia Floral

Rush-Grass-and-Cotton-Grass-Flower-Fairy

Há alguns anos procurou-me, em meu consultório de Terapia Floral, uma mulher que apresentava uma alergia intensa nas pernas.

Suas pernas ficavam com manchas vermelhas que ardiam e coçavam muito, e isto, segundo seu relato acontecia todos os anos, sempre no mês de janeiro, estendendo-se por vários meses, até que perto do inverno, desaparecia.

Já havia buscado tratamento com um dermatologista mas apesar do medicamento indicado aliviar a coceira e o ardor, as manchas, vermelhas e ressecadas, permaneciam por longos meses, para sumirem por um tempo, e retornarem no ano seguinte.

Logo na primeira consulta eu perguntei se havia vivido algum trauma ou algum sofrimento, naquele período do ano, entre Dezembro e Março, antes que a alergia tivesse aparecido.

A resposta foi sim. Ela havia perdido um filho num incêndio, no mês de Fevereiro, um ano antes do inicio dessa alergia nas pernas.

Aos prantos e mal conseguindo falar, contou-me que na época isso foi um choque imenso, que não podia acreditar no que lhe fora contado.

Ofereci-lhe então algumas essências florais que pudessem aliviar o trauma antigo pelo qual passou e aos poucos, no período de poucos meses, ela foi conseguindo falar sobre o incêndio e sobre a perda de seu filho, deixando vir à tona emoções represadas como a dor, a raiva e a tristeza que sentia, e que puderam ser tratadas com outras essências florais.

Esta senhora esteve em tratamento em meu consultório por alguns anos, e após o início do tratamento a alergia reapareceu uma vez, bem mais fraca que o usual, sarando rapidamente com o uso do medicamento médico receitado, para depois não voltar mais.

Certas ocorrências da vida são recebidas por nós como um grande susto, como um choque ou um trauma, e se não forem superadas causam uma paralisia em nossa emoção, em nossas energias mentais e espirituais e é quando passamos a viver, inconscientemente, sob o efeito do trauma, presos ao momento em que este ocorreu.

Aparentemente, podemos até seguir em frente, mas uma parte de nós fica retida naquela dor, e isto sempre acarreta sofrimentos das mais diversas ordens podendo gerar inclusive somatizações.

O trauma quando não é devidamente tratado traz desdobramentos, e muitas vezes é acompanhado de negação por nossa parte, quando não queremos acreditar no que ocorreu; de raiva por não aceitarmos a situação; ou de depressão e tristeza frente ao que não podemos mudar. Podemos ainda sentir culpa por não termos conseguido impedir a ocorrência.

Estuda-se hoje o transtorno do estresse póstraumático (TEPT), e segundo a Revista Brasileira de Psiquiatra 2003;25 (Supl I):12-6, na publicação do Diagnóstico do transtorno de estresse pós-traumático, por Ivan Figueira e Mauro Mendlowicz:

“Para ser diagnosticada como sofrendo de TEPT, a pessoa exposta a um evento traumático deve, segundo o DSM-IV, satisfazer inicialmente as duas partes do critério “A”, destacadas abaixo:

1. A pessoa vivenciou, testemunhou ou foi confrontada com um ou mais eventos que envolveram ameaça de morte ou de grave ferimento físico, ou ameaça a sua integridade física ou à de outros;
2. A pessoa reagiu com intenso medo, impotência ou horror;”

Os critérios necessários para fazer saber se a pessoa tem TEPT são:

A existência de um evento traumático claramente reconhecível como um atentado à integridade física, própria ou alheia, que haja sido experimentado direta ou indiretamente pela pessoa afetada e que lhe provoque temor, angústia ou horror.

A reexperimentação repetida do evento, ou seja:

Pensamentos recorrentes e intrusivos (flashback)

Pesadelos;

Comportamento como se o evento ocorresse novamente.

3. A insensibilidade afetiva, identificável por:

Diminuição expressiva no interesse em realizar atividades comuns ou significativas, especialmente se tem alguma relação com o evento traumático.

Sensação de alheamento em relação às outras pessoas.

Restrição afetiva. Incapacidade de amar.

4. Ativação psicomotora

Hiperatividade.

Distúrbio do sono

Dificuldade para concentrar-se.

Irritabilidade

Tanto os traumas quanto o TEPT devem ser tratados.

Na terapia floral além de oferecermos essências florais para cuidar das consequências emocionais do trauma (raiva, negação, tristeza ou depressão, apatia, culpa, medos, etc..), tratamos o sentimento de se estar revivenciando a dor do choque, consciente ou inconscientemente, segundo após segundo de nossas vidas. Ou seja, a terapia floral oferece cuidados e tratamento àquele que sofre do transtorno do estresse póstraumático.

Assim como o caso dessa paciente, já atendi muitos outros onde – anos depois – o corpo, a mente e a emoção ainda reagiam ao trauma como se este estivesse ocorrendo naquele exato momento, gerando muito desconforto emocional, mental e físico. É importante ressaltar que nenhuma das clientes que atendi tinha a noção exata de que o trauma ainda continuava lá, ativo. Mas era só tocar no assunto para elas revivenciarem seu sofrimento com a mesma carga emocional do momento em que aconteceu.

Existem algumas essências florais preciosas que podem ser usadas por aqueles que acabam de enfrentar um trauma, ou para os que o vivenciaram muito tempo atrás e continuam sob seu efeito.

O Dr. Edward Bach preparou uma das essências mais extraordinárias:

A Star of Bethlehem, que oferece consolo e conforto, trazendo-nos a calma e a tranqüilidade necessárias para superarmos a paralisia decorrente de um trauma ou choque. Esta essência floral é um grande cicatrizador das feridas abertas por graves acontecimentos, e costumo usa-la por longo tempo quando o trauma for devastador.

O Dr. Bach também preparou uma fórmula de florais conhecida por Rescue e que é composta de 5 essências florais, entre elas a Star of Bethlehem. Esta é uma fórmula de resgate e de emergência, para ser usada enquanto o socorro adequado não chega, mas que também pode ser usada por quem acabou de passar por um trauma e em alguns casos até por aquele que o sofreu há bastante tempo. O Rescue é um tônico que promove recuperação geral de choques, traumas e sustos.

Outra essência floral muito importante no tratamento de um trauma ou choque é:

A Fringed Violet, do Sistema de Essências florais Bush Flower Essences (da Austrália), porque ajuda a restaurar a aura daquele que sofreu um choque ou um trauma, o que promove um bem estar inclusive físico, além de auxiliar a pessoa a lidar com o choque ou com o trauma mantendo o equilíbrio interior.

Gosto muito de usar também algumas essências florais da Califórnia no tratamento daqueles que enfrentam traumas, e esse sistema de essências florais é um dos que mais recursos oferece na cura de um trauma.

Um exemplo de uma essência floral desse sistema é:

A Arnica, que fortalece a conexão com as força decorrentes de nossa integridade durante a vivência do trauma, favorecendo muito os que estão apresentando somatizações a estarem totalmente presentes em seus corpos no aqui e agora, encontrando forças vitais extras para a superação do seu sofrimento.

Outra essência floral desse mesmo sistema de cura é:

A Echinacea, usada quando o trauma for devastador, com perda do sentido de referência de si mesmo, tendo ou não sintomas físicos como conseqüência. É comum a pessoa que precisa dessa essência floral dizer: “já não sei mais quem sou” ou “perdi o rumo depois desse acontecimento”, ou “olho-me no espelho e não me reconheço mais”, ou ainda “olho para minha vida e não me reconheço ou não me encontro nela”; a Echinacea ajuda a devolver o senso de identidade e de dignidade pessoal.

Gosto muito de usar também:

A Glassy Hyacinth, um pequeno lírio, raríssimo, que ajuda aqueles que após vivenciarem um trauma estão totalmente paralisados em sua dor. Estes olham para suas vidas sem esperança de um futuro melhor, podendo apresentar profunda tristeza e sofrimentos físicos variados. A essência floral da Glassy Hyacinth ajuda no fortalecimento da vontade de viver, favorece que tiremos a venda amarga da dor que turva nossos sentidos, restaurando nossa vitalidade e força interior.

Outro sistema de florais repleto de belas essências que auxiliam a curar os traumas é o do Alaska, com essências florais como a Tundra Twayblade que é usada em casos de traumas resultantes, por exemplo, de abusos, e que traz o poder do amor incondicional para limpar o impacto da experiência traumática.

Uma outra essência floral importante desse sistema é a White Fireweed, que nos ensina a renunciar à dor do trauma emocional, promovendo um profundo processo de regeneração.

Sem deixar de citar a essência floral:

Fireweed, que ajuda aos que estão estagnados, presos na dor do trauma que ocorreu no passado, a se sentirem encorajados a supera-lo. É uma essência floral do elemento fogo, e é para a regeneração e a restauração daquela parte que em nós sofreu, mais vividamente, o trauma. A Fireweed favorece o equilíbrio e a harmonia interior após sermos devastados, principalmente, pela dor de um trauma ocorrido em acidentes ou lesões, auxiliando nas transformações decorrentes desse sofrimento e a encontrarmos forças para seguir em frente.

Além dessas essências florais que eu citei, e que podem ser usadas em conjunto ou separadas, existem dezenas de outras, que podem ser utilizadas no socorro daquele que sofre ajudando a resgatar a pessoa da cristalização da dor na qual permanece, consolando e confortando, limpando os traumas e favorecendo a regeneração das partes do ser que ficaram impregnadas de dor, possibilitando ainda que os sintomas emocionais, espirituais, físicos ou mentais, decorrentes do trauma, recebam o tratamento adequado oferecido pela Terapia Floral.

star of bethlehem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *