Abundância

universo2

Abundância – Parte I

Quando o tema abundância é trazido a tona nas redes sociais, como por exemplo no Facebook ou no Instagram, posts comuns sobre abundância alertam “é preciso estar aberto ao fluxo da abundância”, ou  então que,  “crenças limitantes podem fazer com que você não esteja recebendo o que é seu por direito”.

E perguntas ficam no ar….se há mesmo um fluxo de abundância porque abarca a alguns e não a todos? Ou ainda,  existem mesmo crenças limitantes?

Sobre as crenças limitantes, sim, elas existem e via de regra estão associadas a baixa autoestima, a acharmos que tudo é difícil ou permeadas por sentimentos de vitimização ou mágoa.

Mas o que fazer a respeito? Será que clamar por seu direito, dizer, e fazer exercícios mentais, ou catárticos, repetir dezenas de vezes “eu sou merecedor/a”, fará de você uma pessoa que viva em abundância? Bem, temo dizer que não.

Por outro lado, será que se você mentalizar todas as noites imaginando ter um milhão de dólares na sua conta corrente pela manhã, isso acontecerá?  A resposta para essa pergunta também será não, não acontecerá.

Segundo o físico quântico e autor de livros  Amit Goswami, a parte que em nós gera e atrai a vida que temos não é a mente racional ou a mente consciente, mas sim  nossa parte inconsciente, ou seja aquilo que em nós só é acessível através da meditação, com o silêncio da mente racional. Para entender quais as crenças que tem dificultado uma vida mais abundante é preciso olhar profundamente para dentro, com lucidez e sem julgamentos, numa atitude meditativa e de imensa compaixão.

Portanto, apenas mentalizar a abundância não a promoverá, apenas pensar e refletir sobre, também não.

As crenças  e atitudes só mudam com abordagens que vão para além da racionalidade. Pode-se utilizar a meditação, além da reflexão,  para que juntas  possa haver a ampliação do auto conhecimento, mas depois,  é preciso o cultivo de  ações práticas para que as mudanças de hábitos e de crenças sejam reais. Ou seja, se os sonhos de abundância são profissionais será, muitas vezes, preciso investir em estudo técnico, superior ou de pós graduação, ou na aprendizagem de uma nova língua,  por exemplo.  Ou seja, é preciso se preparar para a busca daquilo que se quer.

E aqui entramos em outro assunto, para além das crenças existem os hábitos.

Há pessoas que tem a crença de que tudo será magico e rápido e o habito de procrastinar, se afastando de tudo que de trabalho ou que exija comprometimento. Essa é uma fórmula básica para não se ter muito sucesso ou boa reputação profissional.

Será,  também, que se toda essa riqueza estiver em suas mãos você estará disposto a lidar com os efeitos colaterais  dessa posse toda?

Sim há ônus em todo o tipo de experiência.

Ter dinheiro é ótimo, em grande quantidade, melhor ainda, mas é fato que cuidar e manter o dinheiro ou patrimônio,  gera muita ansiedade e estresse. Porque de uma forma geral tudo o que é material é perecível e mutável, e cria estruturas que limitam a liberdade humana. Tudo isso acaba por criar uma sensação de instabilidade, ansiedades e preocupações constantes.

Pode ser que o que busca abundância queira enriquecer depressa, com pouco esforço, e sonhe com maneiras fáceis como mentalizar e pensar num valor “x” que gostaria de ter na conta, como citei anteriormente, mas não reflete sobre o quanto terá que trabalhar e por quanto tempo,  para ter, e depois, para manter a conta assim recheada, ou ainda, quanto ficará escravo em  fazer ou em produzir sempre mais para manter suas necessidades  saciadas e deveres financeiros saldados.

O sucesso pode ter inúmeros inconvenientes. O primeiro é que ele pode viciar e após um sucesso quer-se outro e outro infinitamente, não se sentindo jamais satisfeito.  Além das reponsabilidades que a   figura pública assume com as pessoas que lhe seguem,  para o bem e para mal, pois é fato que  a figura de sucesso será copiada. Criando muitas vezes carmas de difícil solução.

E o amor? Ah…amor é sempre bom! Mas quem pede por parceria amorosa, está pedindo por amor mesmo? Ou quer apenas alguém para companhia, para satisfazer suas vontades, para ficar a sua disposição? Se for isso, bem, isso não é amor. Isso pode ser carência, e ter um relacionamento assim, é pedir dores de cabeça que não acabam.

Assim, antes de pedir por abundância de algo é bom saber bem porque e para que.

Promover o autoconhecimento é essencial para viver uma vida com mais amplas possibilidades de realização, seja em que campo da vida for.

E para isso a Terapia Floral pode ser um ótimo recurso, pois, as essências florais podem alicerçar a jornada do autoconhecimento, e a  revisão das crenças, além de nos apoiar para empreendermos as mudanças necessárias em nossas vidas, em busca de uma vida de maior bem estar, e sentido.

Há inclusive um Programa da Abundância, de 22 dias, criado pela Sabina Petit, produtora das Essências Florais do Pacífico e professora autorizada pelo Deepak  Chopra, que envolve a revisão de Crenças e que por isso é promotor de autoconhecimento, e de auto desenvolvimento revendo crenças e padrões, enquanto  faz-se uso de  uma fórmula de essências florais do Pacífico  acompanhada de uma composição de óleos essenciais, usado para massagem corporal,  o Abundance  Oleo, que considero muito interessante.

Abundância – Parte II

Mas afinal o que é a abundância?

A abundância é parte inerente às forças de vida.

Abundância é fluxo constante. É rio que não cessa e não se esgota de fluir e que atua em rede conectando toda a expressão de vida possível. Um fluxo de vida regido por Leis Espirituais.

A abundância não depende, exclusivamente, de mim ou de você, porque  é numa co-criação com os outros que a desfrutamos, afinal ela existe e se manifesta através das  conexões e das expressões solidárias da vida.

Seu fluxo pode ser positivo ou negativo, assim,  tanto pode haver abundância da riqueza como da pobreza, da alegria como da tristeza.

Vejo muitos correndo atrás do que pensam ser abundância, numa busca frenética, materialista e ansiosa, querendo que a vida lhe traga dinheiro, sucesso, e  parceria amorosa, acreditando que ter e possuir é ser abundante.

Será?

A abundância  real tem conexão com o desenvolvimento de múltiplos  valores e aspectos, muitos deles  espirituais. Valores como  gentileza, solidariedade, alegria, amorosidade, generosidade, humildade, sabedoria, aceitação, compaixão, responsabilidade,  gratidão, criatividade e serviço.

Para viver em abundância real é preciso honrar esses valores, em plena conexão com a natureza, com a humanidade, criando segurança para uma vida plena.

Quem acessa a riqueza sem generosidade, gentileza, humildade, sabedoria, aceitação, amorosidade, responsabilidade, alegria, solidariedade, gratidão, compaixão, criatividade e serviço,  muda o polo do fluxo da abundância, de positivo para negativo,   pela corrupção, pela ansiedade, pela exaustão,  pelo egoísmo, pela omissão, pela preguiça, pela criminalidade, pela mesquinharia.

O que mais afeta o fluxo da abundância é o egoísmo. Todavia, algo interessante acontece, em nossa sociedade, momentaneamente, os mais egoístas e corruptos, muitas vezes, são os que vivem na riqueza, esbanjando uma falsa aparência da abundância. Ou seja, eles tem riqueza material mas não vivem na abundância espiritual ou emocional, pois vivem uma vida interior mesquinha e voltada para si, sem generosidade. O que não sabem, é que, para si, inverteram a polaridade do fluxo da abundância, e logo ali, nesta ou em outra vida,  precisarão, para retornar ao fluxo positivo e abundante da vida, lidar com situações, que lhes ajude a viver de forma mais generosa, humilde, pacífica, amorosa e grata.

Olhe ao redor, num exercício simples….estenda seu pensamento para além de si mesmo, pense a respeito disso de uma forma mais abrangente, mais coletivamente. Ou seja, um povo que tem por valores a desumanidade, a exclusão, a corrupção, está vivendo em que fluxo de abundância? Esse fluxo está positivo ou negativo? Olhar para a história de um povo, dentro de uma longa linha de tempo e refletir sobre porque se chegou aonde está pode ser muito salutar para a compreensão do fluxo de abundância.

Agora, ao observar aqueles verdadeiramente abundantes, ou seja, que vivam inteiramente no fluxo positivo da abundância, pode-se perceber que tornaram-se  mananciais inesgotáveis dessa energia de vida, e que não se preocupam demais em ter dinheiro, ter sucesso ou ter romances.

São criadores, sábios, humildes, pacientes, e generosos, honram a vida, servindo, numa liderança suave e benigna, criando e gerando beleza e bem estar ao redor, muitas vezes, em encarnações onde há simplicidade e muita alegria. Gerando  bênçãos e abundância por todos os lados e usufruindo delas.

Muitas diferentes essências florais podem ajudar na construção dos valores necessários para a vivência da verdadeira abundância dentro de um programa de vida voltado para o bem estar.

Às vezes, é hora de cuidar do egoísmo, outras do controle, ou do descontrole, outras vezes da preguiça, bem como da auto sabotagem. Há tempos onde é preciso aprender a se perdoar ou a  perdoar alguém.

Para começar a descobrir como inverter a polarização do fluxo da abundância de negativo para positivo, vale a pena começar a investir na gratidão. E para isso o floral da Pink Flannel Flower, do Bush Australiano, é o que eu mais gosto de usar, porque ele atua no coração, aquecendo-o com o sentimento de gratidão pela vida.

Eu, nestes tempo de crise financeira mundial e de uma crise sem precedentes no Brasil, dei-me de  presente um  blend de essências florais do Alaska, para aprofundar minha vivência sobre a real abundância e aqui compartilho com você:

Bog Blueberry – para se tornar um com o fluxo positivo da vida e da abundância; aceitando, sem resistir ou julgar a forma com que a abundância toma.

Wild Iris – para se conectar com as fontes universais de inspiração criativa; para que a criatividade flua abundantemente.

Black Spruce  para acessar a sabedoria, alargando a visão sobre a vida, assumindo responsabilidade para cocriar  o futuro.

Sphagnum Moss – para ver com clareza e sem julgamento, trazendo aceitação e amor para lidar com os desafios  da vida.

Alpine Azalea – para acessar a  autoaceitação e o autoamor  de forma a contatar a energia generosa do planeta.

Laceflower – resgatar o sentido da real importância da vida, e a crença de que somos valiosos.

Sticky Geranium – para trazer foco e energia para seguir em  frente em direção a uma meta.

Bog Rosemary – Para desenvolver um senso de segurança e confiança na vida.

Sei que isto é apenas um passo nesse longo caminhar, e que além de tomar essas  essências florais, da forma como Dr. Edward Bach ensinou, 4 gotas 4 vezes ao dia, é preciso aprender a nadar nesse fluxo ininterrupto de vida abundante. Mas é muito bom buscar inspiração para  criar vida nova em sintonia com o Bem, o Belo e o Bom, abundantemente.

Daqui envio bênçãos de amor e alegria para você que me lê.

Leia também:
Abundância – Parte III

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *